A devolução dos excedentes pelas cooperativas de crédito brasileiras: fomento à economia individual do associado em detrimento da sua efetiva participação econômica

Leonardo Rafael de Souza

Resumen


Diferentemente de outros modelos de negócio, o capital nas sociedades cooperativas tem como função garantir de forma instrumental as necessidades dos seus membros e comunidade. Por isso que em toda e qualquer cooperativa o caráter econômico do capital deve ser observado de forma a não corromper o modelo de negócio cooperativo, aí incluída a interpretação dada ao 3.º Princípio da Participação Econômica dos Membros. Contudo, ao realizarem a destinação dos seus excedentes, grande parte das cooperativas de crédito brasileiras optam por remunerar as quota-partes do membro na sociedade, privilegiando a formação de poupança individual em detrimento de fundos cooperativos que fortaleçam o próprio empreendimento. Então, o objetivo deste estudo é, principalmente, promover uma reflexão principiológica sobre o papel do excedente.

Recibido: 31 mayo 2018
Aceptado: 10 octubre 2018
Publicación en línea: 21 diciembre 208


Palabras clave


sociedade cooperativa; excedente; destinação; solidariedade econômica

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALIANÇA COOPERATIVA INTERNACIONAL. 1996. Declaración de la Alianza Cooperativa Internacional sobre la Identidad Cooperativa aprobada en Manchester. Vitoria-Gasteiz: Consejo Superior de Cooperativas de Euskadi.

_____. 2015. Notas de orientación para los principios cooperativos. Antalya: ACI,. Disponível em: <http://ica.coop/es/notas-de-orientacion>. Acesso em: 28 mai. 2018.

BACEN. 2017. Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. Brasília: Editoda do BACEN. Acesso em 30 de maio de 2018. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/coopcar/pdf/panorama_de_cooperativas.pdf>.

BECHO, Renato Lopes. 2002. Elementos de Direito Cooperativo. São Paulo: Dilética.

BRASIL. Presidência da República. Lei Complementar n.º 130, de 17 de abril de 2009. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e revoga dispositivos das Leis n.º 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/LCP/Lcp130.htm>. Acesso: em 29 mai. 2018.

_____. Lei n.º 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5764.htm>. Acesso: em 29 mai. 2018.

CRACOGNA, Dante; HENRY, Hagen; FICI, Antônio (Ed.). 2013. International Handbook of Cooperative Law. Berlin: Springer.

FUJI, Alessandra Hirano. 2004. «O conceito de lucro econômico no âmbito da contabilidade aplicada». Revista Contabilidade & Finanças. São Paulo, v. 15, n. 36, pp. 74-86.

HENRŸ, Hagen. 2013. Orientaciones para la legislación cooperativa. 2.ª ed. Ginebra: OIT.

MEINEN, Enio. 2016. Cooperativismo financeiro: virtudes e oportunidades. Brasília: Confebrás.

MIRANDA, José Eduardo de. 2012. De la crisis de identidad al rescate de la génesis del Cooperativismo. Madrid: Dykinson.

_____. 2017. Filosofía cooperativa. Curitiba: Juruá.

MÜNKNER, Hans-Hermann. 2013. «Worldwide regulation of co-operative societies – an Overview». Euricse Working Paper, Trento, v. 1, n. 053. Acesso em 28 de maio de 2018. Disponível em: <http://www.euricse.eu/publications/wp-5313-worldwide-regulation-of-co-operative-societies-an-overview-2/>.

PERIUS, Vergílio. 2001. «Tratamento do capital nas Sociedades Cooperativas Brasileiras». Boletín de la Asociación Internacional de Derecho Cooperativo: 2001 - El capital en las cooperativas. Bilbao, núm. 35, pp. 81-98.

PINHO, Diva Benevides. 1977. Economia e cooperativismo. São Paulo: Saraiva.

PORTAL DO COOPERATIVISMO FINANCEIRO. 2017. Conheça as maiores instituições financeiras cooperativas do Brasil. Disponível em: <http://cooperativismodecredito.coop.br/2017/05/conheca-as-maiores-instituicoes-financeiras-cooperativas-do-brasil/>. Acesso em: 30 mai. 2018.

SOUZA, Leonardo Rafael de. 2017. Cooperativas de Crédito: resoluções do CMN e os valores cooperativos. Curitiba: Juruá.

VARGAS VASSEROT, Carlos; GADEA SOLER, Enrique; SACRISTÁN BERGIA, Fernando. 2015. Derecho de las Sociedades Cooperativas: introducción, cons- titución, estatuto del socio y órganos sociales. Madrid: La Ley.

WORLD COUNCIL OF CREDIT UNIONS (WOCCU). 2015. Model Law for Credit Unions. Madison: WOCCU Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.18543/baidc-53-2018pp139-155

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.