O cooperativismo como instrumento para a autonomia de comunidades rurais da Amazônia: a experiência dos agricultores extrativistas do municipio de Lábrea, AM

Lindomar De Jesus de Sousa Silva, José Olenilson Costa Pinheiro, Endrio Morais dos Santos, Jemima Ismael da Costa, Gilmar Antonio Meneghetti

Resumen


O presente artigo trata da organização das comunidades extrativistas do município de Lábrea, no Amazonas, Brasil, e de como a cooperativa foi essencial para a superação dos desafios socioeconômicos em que vivem os extrativistas da Amazônia. A coleta das informações foi realizada através de visitas e entrevistas com extrativistas, lideranças das comunidades e organizações que atuam na região. Como resultados, concluímos que a criação da Cooperativa Mista Agroextrativista Sardinha (COOPMAS), com a mediação de instituições, possibilitou a organização da produção extrativa e agrícola, a superação do atravessador e comercialização justo para os produtos extrativista e agrícola, além de ter facilitado o acesso a políticas públicas, como crédito, assistência técnica e mercados, contribuindo para a emancipação socioeconômica e política dos extrativistas.

Recibido: 11 junio 2019
Aceptado: 01 octubre 2019
Publicación en línea: 19 diciembre 2019


Palabras clave


extrativistas; organização social; cooperativa; renda; autonomia

Referencias


ABRAMOVAY, Ricardo e Luiz Carlos BEDUSCHI FILHO. 2003. «Desafios para a gestão territorial do desenvolvimento sustentável no Brasil». Em Anais do XLI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Juiz de Fora: Sober.

ABRAMOVAY, Ricardo. 2000. O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. Economia Aplicada, 379-397. São Paulo: Economia Aplicada.

ALBAGLI, Sarita e Maria Lucia MACIEL. 2002. Capital social e empreendedorismo local. Rio de Janeiro: UFRJ/IE-RedeSist-FINEP-SEBRAE.

ALEIXO, Josinaldo. 2011. Memorial da luta pela Reserva Extrativista do Médio Purus em Lábrea-AM: registro da mobilização social, organização comunitária e conquista de cidadania na Amazônia. Brasília: Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas do Médio Purus e Instituto Internacional de Educação do Brasil.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Bueno de. 2008. Antropologia dos Archivos da Amazônia. Rio de Janeiro: Casa 8.

ARAMBURU, Mikel. 1994. «Aviamento, modernidade e pós-modernidade na Amazônia». Revista Brasileira de Ciências Sociais, no. 25.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO: LÁBREA. 2010. Acesso em 15 de maio de 2019. http://www.atlasbrasil.org.br/2010/pt/home/

BATISTA, Djalma. 2007. O Complexo da Amazônia: análise do processo de desenvolvimento. 2.ª ed. Manaus: Valer, Edua e Inpa.

BEDUSCHI FILHO, Luiz Carlos e Ricardo ABRAMOVAY. 2004. «Desafios para o desenvolvimento das regiões rurais». Nova Economia 14, no. 3: 35-70.

BENCHIMOL, Samuel. 2009. Amazônia: formação social e cultural. Manaus: Valer.

BILERT, Vania Silva de Souza, Miguel Ângelo PERONDI, André ALVES PEREIRA e Simão TERNOSKI. 2011. «A contribuição do capital social para o desenvolvimento local». Ciências Sociais Aplicadas em Revista 11, no. 21: 29-42.

BOURDIEU, Pierre. 1998. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes.

BOURDIEU, Pierre. 2005. «O campo econômico». Revista Política e Sociedade: 15-57.

CARDOSO, Ciro Flamarion. 1984. Economia e Sociedade em áreas coloniais periféricas: Guiana Francesa e Grão-Pará 1750 e 1817. Rio de Janeiro: Graal.

CHEROBIM, Mauro. 1983. Trabalho e comércio nos seringais, 101-107. São Paulo: Perspectivas.

COLEMAN, James S. 1990. Foundations of Social Theory. Cambridge: Harvard University Press.

COLLIS, Jill e Roger HUSSEY. 2005. Pesquisa em administração. 2.ª ed. São Paulo: Bookman.

COSTA, Ivana, Ana Cecília FEITOSA VASCONCELOS, Elizabeth DE OLIVEIRA ANDRADE, Gesinaldo ATAÍDE CÂNDIDO e Isabela ASSIS GUEDES ROSAS. «Capital social como instrumento para viabilização do desenvolvimento regional: estudo de caso no Cariri Paraibano». G&DR 4, no. 2: 58-80.

COSTA, Jemima Ismael da. 2015. «Associativismo e cooperativismo em uso de recursos naturais da Amazônia: castanha-do-Brasil» Em Anais do Workshop de Pesquisa e Agricultura Familiar: Fortalecendo a Interação da Pesquisa para Inovação e Sustentabilidade, 339-348. Manaus: Embrapa.

COSTA, Willas Dias da Costa e Thereza C. CARDOSO MENESES. 2015. «Antigas e novas dinâmicas de poder e território no Médio Purus/AM». Textos & Debates, no. 26: 73-84.

FALCÓN, Carmen Esther y FUENTES, Juana. 2017. «La participación de las cooperativas en el desarrollo urbano sostenible». REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 125: 89-108. doi: http://doi.org/10.5209/REVE.57063

FAMÍLIA LABRE. 2019. «Mais informações a respeito de Lábrea-AM.» Família Labre. Acesso em 25 de maio de 2019. http://familialabre.blogspot.com

FERREIRA, Ericka Sales e Vera Lúcia SALAZAR PESSÔA. 2012. «Capital social e desenvolvimento territorial: uma abordagem teórica-conceitual». CampoTerritório: revista de geografia agrária 7, no. 14: 1-330.

FONSECA, Antônio Ângelo Martins. 2005. Instituição e desenvolvimento territorial. O desempenho municipal após a descentralização. Feira de Santana: UEFS.

FRANCO, Marcelo Horta Messias. 2011. «Novas configurações territoriais no Purus indígena e extrativista». Em Álbum Purus. Manaus: Edua.

GIDDENS, Anthony. 2001. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record.

GIL, Antônio Carlos. 2002. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ª ed. São Paulo: Altas.

HECK, Egon; Francisco LOEBENS; Priscila D. CARVALHO. 2005. «Amazônia indígena: conquista e desafios». Estudos Avançados 19, no. 53: 237-255.

HELAL, Diogo Henrique e Jorge Alexandre BARBOSA NEVES. 2007. Superando a pobreza: o Papel do Capital Social na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Rio de Janeiro: Cadernos EBAPE. BR.

HOMMA, Alfredo Kingo Oyama e Antonio José ELIAS AMORIM DE MENEZES. 2014. «Avaliação de uma agroindústria beneficiadora de castanhado-pará na microrregião de Cametá, Estado do Pará». Em Extrativismo vegetal na Amazônia: história, ecologia, economia e domesticação. Brasília: Embrapa.

LINK, Rogério Sávio. 2017. «Os apurinã e a última fronteira do estado brasileiro». Fronteiras: Revista de História: 11-42.

LIRA, Talita de Melo e Maria do Perpétuo Socorro RODRIGUES CHAVES. 2016. Comunidades ribeirinhas na Amazônia: organização sociocultural e política: 66-76. Campo Grande-MS: Interações.

LONDERO, Márcia. 2009. Ciências Sociais nas organizações. Curitiba: IESDE Brasil S.A.

LÓPEZ, Josune. 2019. «The promotion of both decent and green jobs through cooperatives». Boletín de la Asociación Internacional de Derecho Cooperativo, 54: 115-129. doi: http://doi.org/10.18543/baidc-54-2019pp115-129

MEDINA, Analaura y FLORES, Uziel. 2018. «Estudio dialéctico de la economía social». Boletín de la Asociación Internacional de Derecho Cooperativo, 52: 73-106. doi: http://doi.org/10.18543/baidc-52-2018pp73-106

MEIRELLES, Thomaz. 2016. Workshop do pirarucu. Acesso em: 26 de novembro de 2017. http://thomazrural.com.br/2016/07/09/sera-que-o-work-shop-do-pirarucu-lembrou

MENEZES, Thereza. 2011. «Dois destinos para o Purus: desenvolvimentismo, socioambientalismo e emergência dos povos tradicionais no sul do Amazonas». Em Álbum Purus, 131-152. Manaus: Edua.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. 2013. Relatório da 3.ª edição do Projeto MPF nas Comunidades amazônicas («MPF na Comunidade»). Lábrea-AM: MPF.

MIRANDA, Ricardo Nunes. 2013. Zona Franca de Manaus: desafios e vulnerabilidades. Textos para Discussão, 126. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas do Senado Federal.

NASCIMENTO, Maria das Graças. 1998. «Migrações nordestinas para a Amazônia». Revista de educação, cultura e meio ambiente: 1-13.

NODA, Eliana Aparecida do Nascimento. 2008. «Políticas agrícolas e ambientais no Baixo e Médio Purus-AM». Dissertação de Mestrado, Curso de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Universidade Federal do Amazonas.

ORTEGA, Antônio César e Vitor Alberto MATOS. 2013. «Território, desenvolvimento endógeno e capital social em Putnam e Bourdieu». Revista Politica & Sociedade: 35-60.

PUTNAM, Robert. 1993. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV.

PUTNAM, Robert. 1993. The prosperous comunity: social capital and public life. The American Prospect n.º 13. Cambridge: Springer. Acesso em 20 de maio de 2019. http://epn.org/prospect/13/13putn.htlm

PUTNAM, Robert. 2006. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV.

REIS, Arthur Cézar Ferreira. 1953. O seringal e o seringueiro. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura.

RIBEIRO, Lilian Lopes e Jair ANDRADE DE ARAÚJO. 2018. «Capital social e pobreza no Brasil». Revista de Economia Politica 38, no. 4 (153): 749-765.

ROUTLEDGE, Bryan e Joachim AMSBERG. 1996. Endogeneous social capital. Pittsburgh: Carnegie Mellon University.

SANTOS, Valcir Bispo. 2007. «Capital Social em áreas de Acordos de Pesca na Amazônia Oriental: articulações entre escalas e aspectos institucionais e organizativos nos processos de aprendizagem e inovações de pescadores artesanais ribeirinhos». Trabalho apresentado nos Anais do II Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia, UFSC, Florianópolis.

SEN, Amartya. 2010. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, Lindomar Jesus Silva, Ariane Angélica MORENO, Gilmar Antonio MENEGHETTI, José Olenilson COSTA PINHEIRO e Tassiana Maylla FONTOURA DA SILVA. 2015. «A importância da organização dos extrativistas: uma abordagem a partir da comparação das redes estabelecidas em dois municípios produtores de castanha-do-brasil no Estado do Amazonas». Trabalho apresentado no XXX Congreso ALAS Costa Rica, 2015.

SILVA, Osíris Araújo da. 2015. «Debate: o desenvolvimento rural integrado do Amazonas». Revista Terceira Margem Amazônia: 240-244.

SIMONI, Jane. 2010. A. Revitalização do extrativismo: práticas de economia solidária e sustentabilidade. Brasília: IPEA.

SOUSA, José Vasconcelos. 2002. Mediação: O que é?. Portugal: Quimera. SOUZA, Itamar. 1978. «Migrações internas no Brasil». Dissertação de Mestrado, USP.

TEISSERENC, Pierre e Maria José DA SILVA AQUINO TEISSERENC. 2014. «Território de ação local e de desenvolvimento sustentável: efeitos da reivindicação socioambiental». Revista Sociologia & Antropologia: 97-125.

TEIXEIRA, Carlos Corrêa. 2009. Servidão humana na selva: o aviamento e o barracão nos seringais da Amazônia. Manaus: Editora Valer.

TOMASI, André. 2016. Cadeia de valor da castanha do Brasil no município de Lábrea/AM. Brasília: Instituto Internacional de Educação do Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.18543/baidc-55-2019pp199-226

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.